Covid-19 · Observatório · Resumo · Semana 16 · Semana epidemiológica · UTI

ResumoDF – #30

Semana epidemiológica 16
(de 18 a 24 de abril)

Na semana 16 houve uma redução de 12% nos casos de Covid-19 e uma redução de 21,8% no número de óbitos no Distrito Federal.

A taxa de ocupação de leitos públicos se manteve elevada em 94,77%, a taxa de ocupação dos leitos privados teve uma redução não só na taxa de ocupação como no número de leitos, ou seja, a taxa de ocupação está em 95,81%, mesmo com o número de leitos reduzido em 10%. A fila de espera caiu mais de 22%, registrando 183 pacientes aguardando leitos de UTI, dos quais 86 com suspeita ou confirmação de COVID-19.

A situação da epidemia de Covid-19 no Distrito Federal (DF), na semana 16, mostra o quadro abaixo.

O número acumulado de casos confirmados subiu de 365.646 na semana 15, para 372.563 na semana 16 de 2021, ou seja, em uma semana houve um incremento de 6.917 novos casos, conforme o Painel Brasil – Dados consolidados para as Unidades Federativas considerando os boletins epidemiológicos mais recentes. Atualizado em 24/4/2021, às 21h19. Dados das Secretarias Estaduais de Saúde, via Ministério da Saúde.

| Números de casos confirmados |
https://covid19br.wcota.me/ Acessado em 25/4/2021

 

O número de casos novos confirmados nesta semana foi de 6.917. Para efeitos de comparação, na semana 15 foram 7.885 casos novos. Portanto, houve uma redução de 12% no número de casos entre a semana 15 e 16.

| Números de casos novos |
https://covid19br.wcota.me/ Acessado em 25/4/2021

A taxa de incidência até a décima sexta semana de 2021, na área geográfica do DF, mostra que o número de casos novos para cada 100 mil habitantes, subiu de 11.978,39 na semana 15 para 12.080,11 na semana 16.

| Número de casos por 100.000 hab |
| (Incidência) |
MonitoraCovid-19@Fiocruz https://bigdata-covid19.icict.fiocruz.br/ Acessado em 25/4/2021

 

Tomando a população do DF em 3.084.103 habitantes, para a semana 16 temos uma incidência de casos novos igual a 224,28 casos novos/100.000 hab. Enquanto na semana 15 esta taxa estava em 255,69 casos novos/ 100.000 hab.

Como temos alertado em todos os resumos, o número de casos confirmados está diretamente relacionado à quantidade de testes disponíveis e realizados, medida que impacta os dados epidemiológicos, uma vez que quanto menor o número de testes realizados, menor a capacidade de identificar novos casos e controlar a transmissão pelo monitoramento dos contatos.

Nesse sentido, em relação à quantidade de testes efetuados no DF, de acordo com Painel Covid 19 no Distrito Federal, a quantidade total de testes RT-PCR realizados desde o início da pandemia está em 255.857 contra 250.601 da semana 14, ou seja, 5.256 novos testes realizados na semana 16, com dados atualizados em 24/4/2021 23h05. Ficando para este ano assim distribuídos os testes realizados até o momento: janeiro – 19.429, fevereiro – 15.886, março – 33.288 e abril – 21.768.

O número absoluto de óbitos acumulados em todo o DF subiu de 7.172 na semana 15 para 7.534 na semana 16. Um registro de 362 óbitos nesta semana, contra 463 óbitos registrados na semana 15. Uma redução de 21,8% no registro de óbitos em relação à semana 15.

| Números de óbitos confirmados |
https://covid19br.wcota.me/ Acessado em 25/4/2021

 

| Números de óbitos novos |
https://covid19br.wcota.me/ Acessado em 25/4/2021

 

A taxa de mortalidade por Covid-19, que mostra o número de óbitos para cada 100 mil habitantes, aumentou de 234,95 na semana 15 para 244,28 na semana 16.

| Número de óbitos por 100.000 hab |
| (Mortalidade)|
MonitoraCovid-19@Fiocruz https://bigdata-covid19.icict.fiocruz.br/ Acessado em 25/4/2021

 

A taxa de ocupação de leitos de UTI no setor público exclusivos para pacientes de Covid-19 apresenta uma redução em relação à semana 15, conforme quadro abaixo. Estes leitos são ocupados somente por pacientes confirmados de Covid-19. Na semana 15 a taxa de ocupação estava em 96,91%, e, nesta semana 94,77%, mantida a oferta de leitos de UTI para a COVID-19 em 470 leitos na rede pública. Vale ressaltar que a taxa de ocupação é bem flutuante e altera várias vezes diariamente. A taxa verificada no quadro abaixo foi acessada em 25/4/2021 às 12h25:

info.saude.df.gov.br/area-tecnica/covid-leitos-publicos-covid-19/

 

Quanto aos leitos de enfermaria para Covid-19, nesta semana a taxa de ocupação está em 80,85%, apresentando uma diminuição em relação ao registrado na semana 15, em que a taxa de ocupação estava em 91,71%.

http://info.saude.df.gov.br/area-tecnica/covid-leitos-publicos-de-enfermaria-covid-19/

 

A taxa de ocupação hospitalar diminuiu na rede particular considerando a semana 15 com 98,99% em comparação com a semana 16, registrando 95,81% no que se refere a leito adulto específico para Covid-19, também com redução na quantidade de leitos em relação à semana passada, de 443 para 397 leitos nesta semana. A taxa de ocupação de leito pediátrico específico para Covid-19 ficou em 50%, conforme verificamos no quadro abaixo:

http://info.saude.df.gov.br/area-tecnica/covid-leitos-rede-privada/

 

O cálculo do número reprodutivo efetivo é realizado a partir do número de casos confirmados, por data de início de sintomas de todos os casos confirmados. A evolução da Covid-19 pode ser avaliada em função do R(t), que representa o número de sua reprodução. Se o valor de R(t) for maior que 1, significa que a pandemia está avançando, se o R(t) for menor que 1, a pandemia mostra-se em descenso. O R(t) é estimado a partir dos casos notificados oficialmente. Estudos indicam que há subnotificação dos casos de COVID-19, isto é, há casos de contaminados não identificados e, consequentemente, não computados nas estatísticas oficiais.

https://covid19br.wcota.me/ Acessado em 25/4/2021

RESUMO

A taxa de ocupação de leitos adultos de UTI no DF teve uma redução mais consistente, no entanto, continua elevada tanto no setor público, quanto no setor privado, ou seja, taxa de ocupação ainda acima de 90%. Dessa forma, a taxa de ocupação no setor público e privado não atende ao critério adotado neste Observatório de disponibilidade de leitos igual ou superior a 30%.

O número absoluto de casos novos (ou incidência) de Covid-19 diminuiu na semana 16. Os números mostram uma sequência de cinco semanas de redução em relação aos casos novos. A curva de casos novos, na semana 16 ilustra um número elevado de casos, mas com uma redução consistente, refletindo um R(t) inferior a 1. O critério adotado neste Observatório, de pelo menos três semanas com redução constante de novos casos, foi alcançado desde a semana 14.

  • Semana 33: 14.270 casos novos
  • Semana 34: 11.033 casos novos
  • Semana 35: 12.399 casos novos
  • Semana 36: 9.079 casos novos
  • Semana 37: 7.041 casos novos
  • Semana 38: 7.448 casos novos
  • Semana 39: 5.512 casos novos
  • Semana 40: 6.175 casos novos
  • Semana 41: 4.786 casos novos
  • Semana 42: 4.735 casos novos
  • Semana 43: 4.457 casos novos
  • Semana 44: 4.484 casos novos
  • Semana 45: 2.605 casos novos
  • Semana 46: 3.862 casos novos
  • Semana 47: 3.666 casos novos
  • Semana 48: 4.697 casos novos
  • Semana 49: 5.301 casos novos
  • Semana 50: 5.258 casos novos
  • Semana 51: 5.200 casos novos
  • Semana 52: 4.094 casos novos
  • Semana 53: 4.946 casos novos
  • Semana 1: 5.279 casos novos
  • Semana 2: 5.603 casos novos
  • Semana 3: 5.594 casos novos
  • Semana 4: 7.222 casos novos
  • Semana 5: 4.027 casos novos
  • Semana 6: 3.702 casos novos
  • Semana 7: 4.676 casos novos
  • Semana 8: 6.638 casos novos
  • Semana 9: 9.762 casos novos
  • Semana 10: 10.804 casos novos
  • Semana 11: 11.641 casos novos
  • Semana 12: 11.108 casos novos
  • Semana 13: 9.757 casos novos
  • Semana 14: 9.074 casos novos
  • Semana 15: 7.885 casos novos
  • Semana 16: 6.917 casos novos

número absoluto de óbitos nesta semana epidemiológica 16 foi menor, porém representa o quarto maior resultado em relação a todos os boletins publicados pelo Observatório, mas de acordo com o critério adotado neste Observatório, de pelo menos três semanas com redução constante de novos casos foi alcançado nesta semana.

  • Semana 33: 246 óbitos
  • Semana 34: 299 óbitos
  • Semana 35: 193 óbitos
  • Semana 36: 250 óbitos
  • Semana 37: 183 óbitos
  • Semana 38: 165 óbitos
  • Semana 39: 135 óbitos
  • Semana 40: 126 óbitos
  • Semana 41: 103 óbitos
  • Semana 42: 127 óbitos
  • Semana 43: 84 óbitos
  • Semana 44: 60 óbitos
  • Semana 45: 45 óbitos
  • Semana 46: 73 óbitos
  • Semana 47: 49 óbitos
  • Semana 48: 58 óbitos
  • Semana 49: 58 óbitos
  • Semana 50: 81 óbitos
  • Semana 51: 79 óbitos
  • Semana 52: 60 óbitos
  • Semana 53: 70 óbitos
  • Semana 1: 83 óbitos
  • Semana 2: 61 óbitos
  • Semana 3: 56 óbitos
  • Semana 4: 77 óbitos
  • Semana 5: 63 óbitos
  • Semana 6: 72 óbitos
  • Semana 7: 67 óbitos
  • Semana 8: 84 óbitos
  • Semana 9:119 óbitos
  • Semana 10: 147 óbitos
  • Semana 11: 258 óbitos
  • Semana 12: 362 óbitos
  • Semana 13: 518 óbitos
  • Semana 14: 474 óbitos
  • Semana 15: 463 óbitos
  • Semana 16: 362 óbitos

A lista de espera por um leito de UTI no Distrito Federal pode explicar ainda o número elevado de óbitos desta semana, no entanto, é perceptível uma tendência de arrefecimento da pandemia, no momento há 183 pacientes aguardando leito de UTI, dos quais 86 com suspeita ou confirmação de COVID-19:

http://info.saude.df.gov.br/area-tecnica/crdf-lista-de-espera-por-leitos-de-uti/

 

Para acompanharmos a situação da lista de espera de leitos públicos de UTI, temos dois dados importantes. O primeiro deles é o número absoluto de pessoas aguardando na fila: 368 na semana 14, 236 na semana 15 e 183 nesta semana. Outro fator importante é a quantidade de leitos públicos de UTI existentes: 450 na semana 14 e 470 nas semanas 15 e 16.

Ao se estabelecer uma relação entre os dois fatores descritos acima, observamos que hoje a quantidade de pessoas aguardando leitos de UTI (183 pessoas na fila) representa menos da metade da quantidade total de leitos públicos de UTI existentes (470 leitos).

A relação entre pessoas na fila de espera de leitos de UTI e a quantidade de leitos UTI existentes na rede pública encontra-se representada abaixo:

  • Semana 10: 0,98 pessoas na fila de espera para cada leito de UTI (279 pessoas / 285 leitos)
  • Semana 11: 0,95 pessoas na fila de espera para cada leito de UTI (390 pessoas / 409 leitos)
  • Semana 12: 0,85 pessoas na fila de espera para cada leito de UTI (366 pessoas / 430 leitos)
  • Semana 13: 0,92 pessoas na fila de espera para cada leito de UTI (395 pessoas / 430 leitos)
  • Semana 14: 0,81 pessoas na fila de espera para cada leito de UTI (368 pessoas / 450 leitos)
  • Semana 15: 0,50 pessoas na fila de espera para cada leito de UTI (236 pessoas / 470 leitos)
  • Semana 16: 0,39 pessoas na fila de espera para cada leito de UTI (183 pessoas / 470 leitos)

número reprodutivo efetivo (Rt), o cálculo é realizado a partir do número de casos confirmados, por data de início de sintomas de todos os casos confirmados no Distrito Federal, desde 23/02/2020 até 16/04/2021. Utilizando o EpiEstim/R na interface Estimador COVID-19 disponibilizado pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). A Figura 6 mostra que os maiores valores de R(t) registrados foram em março 3,10 e 2,99. Com oscilações abaixo de 2.0 entre os meses de abril a julho, e atualmente com um R(t) de 0,82.

 

INDICADORES PARA UM POSSÍVEL RETORNO SEGURO ÀS AULAS PRESENCIAIS

Equipe,
Observatório Covid-19 Moara