Covid-19 · Resumo · Semana 47 · Semana epidemiológica

ResumoDF – #15

Semana epidemiológica 47
(DE 15 a 21 de novembro)

A situação da epidemia de Covid-19 no Distrito Federal (DF), na semana 47, mostra o quadro abaixo.

número acumulado de casos confirmados subiu de 215.850 na semana 45, para 223.378 na semana 47, desde o início da epidemia, conforme o Painel Brasil – Dados consolidados para as Unidades Federativas considerando os boletins epidemiológicos mais recentes. Atualizado em 21/11/2020 22:01:34. Dados das Secretarias Estaduais de Saúde.

O número de casos novos confirmados nesta semana foi de 3.666. Para efeitos de comparação, na semana 45 foram 2.605 casos novos, enquanto na semana 46 ocorreu uma quebra na sequência de redução dos casos novos, pois houve um aumento de 48,25%, em que foi registrado 3.862 casos novos. Nesta semana o número de casos novos voltou a cair, mas a queda foi de apenas 5% em relação à semana anterior.

| Números de casos novos |
Casos Novos por dia - semana 47
MonitoraCovid-19@Fiocruz https://bigdata-covid19.icict.fiocruz.br/ Acessado em 22/11/2020

Já é sabido que o número de casos confirmados está diretamente relacionado à quantidade de testes disponíveis e realizados, medida que impacta os dados epidemiológicos, uma vez que quanto menor o número de testes realizados, menor a capacidade de identificar novos casos e controlar a transmissão pelo monitoramento dos contatos.

Em relação à quantidade de testes efetuados no DF, de acordo com Painel Covid-19 no Distrito Federal, a quantidade total de testes RT-PCR e Teste Rápido realizados desde o início da pandemia está demonstrado no quadro abaixo:

| Testes efetuados no Distrito Federal |
http://www.coronavirus.df.gov.br/index.php/testes/ acessado em 22/11/2020

 

De acordo com a orientação do Lacen DF, “A metodologia utilizada é o diagnóstico molecular através da técnica de RT-qPCR (PCR em tempo real). A capacidade de testagem é definida pela capacidade analítica dos equipamentos instalados (extratores automatizados de RNA, termocicladores, etc), assim como pelo quadro técnico responsável pela execução dos testes.

Testes rápidos (IgM/IgG) NÃO têm função de diagnóstico de infecção por Covid-19. Têm relevante utilização no mapeamento do estado imunológico de uma população (que já teve o vírus ou foi exposta a ele). Este mapeamento pode contribuir de forma positiva no processo de relaxamento das medidas restritivas, ou seja, o mapeamento imunológico tem significativa relevância para o controle pandêmico, na avaliação e planejamento do retorno das atividades.

Segundo o Laboratório Central de Saúde do Distrito Federal (Lacen-DF) “O teste deve ser realizado apenas em pessoas sintomáticas, que receberam diagnóstico de síndrome gripal. Devem ser realizados a partir do oitavo dia do início dos sintomas de síndrome respiratória, como febre, tosse, dificuldade para respirar ou dor de garganta, para detectar a presença de anticorpos (IgG e IgM), que são defesas produzidas pelo corpo humano contra o vírus SARS-CoV-2, que causa a Covid-19.”

Com tal decisão a autoridade sanitária do GDF deixa de realizar testes em contatos (pessoas que tiveram contato com indivíduos com teste positivo para Covid-19, identificadas a partir de rastreamento epidemiológico), o que faz com que não se detecte casos assintomáticos ou com sintomas leves.

O número absoluto de óbitos acumulados em todo o DF subiu de 3.728 na semana 45 para 3.862 na semana 47. Um registro de 49 óbitos nesta semana, representando uma redução 42,35% em relação à semana 46 (85 novos óbitos), ocasião em que foi interrompida a sequência de queda ao longo das últimas semanas.

| Números de óbitos novos |
Números de óbitos novos - semana 47
MonitoraCovid-19@Fiocruz https://bigdata-covid19.icict.fiocruz.br/ Acessado em 22/11/2020

 

A média de casos por data do início dos sintomas apresentou uma tendência de crescimento acentuado desde o início da pandemia até primeira quinzena de junho, com oscilação decrescente na segunda quinzena. Em julho observa a retomada do crescimento de casos e um padrão de oscilação que se manteve entre a segunda quinzena de julho e a primeira de agosto. Devido as ações de investigação epidemiológica a tendência de queda observada a partir da segunda quinzena de agosto pode sofrer alterações (Figura 4). Em relação aos óbitos a média móvel mostra uma tendência crescente desde o início da pandemia até a primeira quinzena de agosto, com posterior tendência decrescente. Cabe destacar que a acentuada redução dos últimos 15 dias pode ser explicada pelos óbitos que ainda estão em investigação (Figura 5).

| Fig. 4 – Média móvel de casos confirmados |
Fig. 4 - Média móvel de casos confirmados - semana 47
Portal Covid-19@GDF – Acessado em 22/11/2020

 

| Fig. 5 – Média móvel de óbitos confirmados |
Fig. 5 - Média móvel de óbitos confirmados - semana 47
Portal Covid-19@GDF – Acessado em 22/11/2020

 

número de leitos de UTI no setor público exclusivos para pacientes de Covid-19 apresenta uma diminuição em relação à semana anterior, conforme quadro abaixo. Estes leitos são ocupados somente por pacientes confirmados de Covid-19. Na semana 45 a taxa estava em 43,35%, e, nesta semana 41,60%. Esta taxa é bem flutuante e altera várias vezes diariamente. A taxa verificada no quadro abaixo foi acessada em 22/11.

Portal Covid-19@GDF – http://www.coronavirus.df.gov.br/index.php/leitos/ acesso 22/11/2020

Quanto aos leitos de enfermarias para Covid-19 a taxa de ocupação teve uma redução de aproximadamente 8 pontos percentuais nesta semana em relação à semana 45 com uma taxa de ocupação de 48,28% Na figura abaixo podemos verificar a quantidade total de leitos e suas ocupações.

Portal Covid-19@GDF – http://www.coronavirus.df.gov.br/index.php/leitos/ acesso 22/11/2020

A taxa de ocupação hospitalar aumentou na rede particular passando de 64,88 % na semana 45, para 73,33% na semana 47 no que se refere a leito para adulto específico para Covid-19. E a taxa de leito pediátrico específico para Covid-19 que na semana 45 estava em 50% de ocupação, esta semana permaneceu com 50%, conforme verificamos no quadro abaixo:

Portal Covid-19@GDF – http://www.coronavirus.df.gov.br/index.php/leitos/ acesso 22/11/2020

 

O cálculo do número reprodutivo efetivo é realizado a partir do número de casos confirmados, por data de início de sintomas de todos os casos confirmados. A evolução da Covid-19 pode ser avaliada em função do R(t), que representa o número de sua reprodução. Se o valor de R(t) for maior que 1, significa que a pandemia está avançando, se R(t) for menor que 1, a pandemia mostra-se em descenso. O R(t) é estimado a partir dos casos notificados oficialmente. Estudos indicam que há subnotificação dos casos de COVID-19, isto é, há casos de contaminados não identificados e, consequentemente, não computados nas estatísticas oficiais. O Boletim COVID-19 DF – produzido PrEpidemia da UnB ainda não foi atualizado, estamos aguardando, portanto, a publicação do Boletim – 15, o último boletim apontava um R(t) de 0,90 para o DF (considera DF = Plano Piloto).

A taxa de ocupação de leitos adultos de UTI no DF diminuiu no setor público e aumentou no setor privado quando comparado com a semana anterior

número absoluto de casos novos (ou incidência) de Covid-19 na semana 47. Os números mostram uma oscilação de casos novos o que pode sugerir uma tendência mais nítida de aumento da transmissão quando agregamos a estes dados a avaliação de outros dados como, por exemplo, taxa de incidência e o Rt.

  • semana 33: 14.270 casos novos
  • semana 34: 11.033 casos novos
  • semana 35: 12.399 casos novos
  • semana 36: 9.079 casos novos
  • semana 37: 7.041 casos novos
  • semana 38: 7.448 casos novos
  • semana 39: 5.512 casos novos
  • semana 40: 6.175 casos novos
  • semana 41: 4.786 casos novos
  • semana 42: 4.735 casos novos
  • semana 43: 4.457 casos novos
  • semana 44: 4.484 casos novos
  • semana 45: 2.605 casos novos
  • semana 46: 3.862 casos novos
  • semana 47: 3.666 casos novos

A curva de casos novos, aumentou de forma significativa na semana 46, apresentando pequena redução na semana epidemiológica 47.

número absoluto de óbitos nesta semana epidemiológica 47 diminuiu em relação à semana anterior (46), que havia interrompido um ciclo de redução de 3 semanas, conforme verificamos abaixo:

  • semana 33: 246 óbitos
  • semana 34: 299 óbitos
  • semana 35: 193 óbitos
  • semana 36: 250 óbitos
  • semana 37: 183 óbitos
  • semana 38: 165 óbitos
  • semana 39: 135 óbitos
  • semana 40: 126 óbitos
  • semana 41: 103 óbitos
  • semana 42: 127 óbitos
  • semana 43: 84 óbitos
  • semana 44: 60 óbitos
  • semana 45: 45 óbitos
  • semana 46: 73 óbitos
  • semana 47: 49 óbitos

número reprodutivo efetivo (Rt), em média, no DF, nesta semana, está em 0,99. Dos casos residentes do Distrito Federal, as Regiões Sudoeste e Central detém o maior número absoluto de casos confirmados. As maiores incidências foram registradas nas Regiões Administrativas Sobradinho I, Lago Sul, Taguatinga e Riacho Fundo I (Figura 3).

 

Figura 6. R(t) estimado para os dados oficiais de infectados por Covid-19 no DF segundo a data de início dos sintomas dos casos no Distrito Federal, 21 de novembro 2020. / Portal Covid-19@GDF – http://www.coronavirus.df.gov.br/index.php/leitos/ acesso 22/11/2020

 

Em resumo

Também houve uma simplificação na apresentação dos gráficos sobre número de casos e de óbitos, agora focados no incremento de casos novos e óbitos novos, e a evolução de ambos desde o início da pandemia.

O atual cenário exige atenção, especialmente, quando comparamos as semanas 46 e 47 com o cenário anterior, de setembro até a primeira quinzena de novembro, relativamente favorável que culminou com a decisão pelo retorno às atividades presenciais na Escola. Houve uma interrupção na tendência de queda do conjunto dos indicadores, em destaque as oscilações em relação ao número de casos novos e de óbitos.

A queda das internações hospitalares, especialmente, nos leitos públicos, sugere diminuição de casos graves de síndrome respiratória aguda grave; e a queda das taxas de mortalidade pode apontar para um melhor conhecimento do curso da doença e melhor desempenho do processo assistencial.

Considerando o retorno às atividades escolares presenciais na Escola Waldorf Moara, Etapa 1, a partir de 16 de novembro, o momento exige um reforço na atenção quanto às medidas de prevenção:

  • Higienização das mãos;
  • Distanciamento mínimo de 1,5 m entre as pessoas;
  • Uso de máscara facial e seu correto processamento;
  • Diminuição do tempo de exposição em ambientes como salas de aulas, com adoção de intervalos a cada uma hora de atividades, a fim de contribuir na renovação natural do ar desses ambientes, mantidas as janelas e portas abertas ao longo de todo o período de aulas, e quando possível, privilegiando atividades ao ar livre.