Covid-19 · Resumo · Semana 32 · Semana epidemiológica

ResumoDF – #01

Semana epidemiológica 32
(DE 02 a 08 agosto)

A situação da epidemia de Covid-19 no Distrito Federal (DF) na semana de 02 a 08 de agosto de 2020 (SEMANA 32) mostra os dados abaixo.

O número acumulado de casos confirmados subiu de 107.922, na semana 31, para 121.824, na semana 32. Ou seja, tivemos 13.902 casos novos em sete dias, com média de1.986 casos novos em cada dia.

| Números de casos confirmados |
Número de casos confirmados
Casos confirmados (em 8.8.2020) – Fonte de dados: Ministério da Saúde e Secretárias Estaduais

A taxa de incidência, que mostra o número de casos novos para cada 100 mil habitantes, subiu de 3.579 (semana 31) para 4.040 na semana 32.

| Número de casos por 100.000 hab |
| (Incidência) |
Número de casos por 100.000 hab
Incidência por 100.000 hab. (em 8.8.2020) – Fonte de dados: MonitoraCovid-19 @ Fiocruz | ICICT | LIS

O número absoluto de óbitos acumulados em todo o DF também subiu de 1.490 (semana 31) para 1.712 na semana 32, um aumento de 222 óbitos em sete dias, cerca de 31,7 óbitos a mais, por dia na semana 32.

 

| Números de óbitos confirmados |
Número de óbitos confirmados
Óbitos confirmados (em 8.8.2020) – Fonte de dados: Ministério da Saúde e Secretárias Estaduais

A taxa de mortalidade por Covid-19, que mostra o número de óbitos para cada 100 mil habitantes, aumentou de 49,5 para 56,8.

| Número de óbitos por 100.000 hab |
| (Mortalidade) |
Número de óbitos por 100.000 hab
Óbitos por 100.000 hab. (em 8.8.2020) – Fonte de dados: MonitoraCovid-19 @ Fiocruz | ICICT | LIS

 

Sabe-se que o número de casos novos diagnosticados em cada dia depende da disponibilidade e da realização de testes de diagnóstico, em tempo oportuno, pelo método RT-PCR, que detecta fragmentos de RNA do vírus em secreções naso-faríngeas. Quanto menor o número de testes realizados, menor a capacidade de identificar novos casos. No DF, na semana 31, foram realizados 30.636 testes; na semana 32 foram 45.569.

Também deve-se considerar que o inquérito nacional, que testa amostras populacionais representativas da população brasileira, realizado pela Universidade Federal de Pelotas (RS), a pedido do Ministério da Saúde, mostrou que, devido à subnotificação de casos, o número real de casos no Brasil deve ser cerca de seis vezes maior do que as estatísticas oficiais, apresentadas no Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde (www.camara.leg.br/noticias/674517-dados-de-inqueritos-sorologicos-mostram-numero-maior-de-infectados-pela-covid-19/).

O número de leitos de UTI (neonatal, pediátrica e adulta) ocupados nos hospitais do DF chegou a 86,01% nos hospitais públicos e a 90,81% nos hospitais privados. Há uma lista de espera de 78 pacientes entre adultos e crianças. Ou seja, a capacidade da rede hospitalar do DF está praticamente esgotada, o que gera uma situação de estresse do sistema de saúde e de angústia e desespero para os pacientes mais graves.

| Rede pública |
UTIs Públicas
Ocupação da rede pública – Fonte: InfoSaúde-DF – em 9.8.2020

 

| Rede privada |
Ocupação da rede privada – Fonte: InfoSaúde-DF – em 9.8.2020 – com 5 leitos cancelados

 

O número reprodutivo efetivo (Rt), que mostra quantas pessoas cada paciente de Covid-19 contamina, em média, está entre 0,8 e 1,3 na semana 31, o mesmo resultado da semana 30. Para mostrar tendência de diminuição da aceleração da epidemia o Rt deve se situar abaixo de 1.

| Número Reprodutivo Efetivo Ajustado (Rt) |
Número Reprodutivo Efetivo Ajustado (Rt)
Número Reprodutivo Efetivo Ajustado (Rt – 8.9.2020) – Fonte de dados: Ministério da Saúde e Secretárias Estaduais

 

Esse indicador tem limitações e deve-se ter cuidado com o seu correto significado. Com poucos testes sendo feitos, não é possível afirmar que os resultados atuais vão permanecer nos próximos dias, quando novos laudos laboratoriais forem aparecendo.

Além disso, os dados mostram grande variabilidade no tempo ao capturarem efeitos como o movimento dos finais de semana, a capacidade de testagem e a situação de diferentes locais dentro do DF, que cumprem quarentena. Assim a estimativa é que apenas quando observamos um R(t) < 1 por várias semanas é que estaremos mais seguros.

Em resumo, estes números apontam para uma situação de permanência da tendência de aumento do número de casos novos e de óbitos por Covid-19; e uma situação de esgotamento da retaguarda de leitos de UTI no DF.